Dois Principais Desafios da Educação Inclusiva

Garantir a educação escolar e promover o desenvolvimento das potencialidades dos alunos que apresentam alguma necessidade educacional na educação básica é um grande desafio. No entanto, faz-se necessária a discussão sobre como oferecer a inclusão para garantir a aprendizagem de todos os alunos na escola regular.

educacao-inclusiva

No Brasil, a regulamentação mais recente que norteia a organização do sistema educacional é o Plano Nacional de Educação (PNE 2011-2020). Esse documento, entre outras metas e propostas inclusivas, estabelece a nova função da Educação especial como modalidade de ensino que perpassa todos os segmentos da escolarização (da Educação Infantil ao ensino superior).

O PNE considera público alvo da Educação especial na perspectiva da Educação inclusiva, educandos com deficiência (intelectual, física, auditiva, visual e múltipla), transtorno global do desenvolvimento (TGD) e altas habilidades.

A educação inclusiva já é realidade no ensino regular e isso se deve aos esforços dos educadores que de uma forma ou de outra são os principais responsáveis pela atuação na educação inclusiva.

Nesse sentido, para que ocorra uma verdadeira e real educação inclusiva, é necessário observarmos dois principais desafios.

1.Promover a formação inicial e continuada dos professores: um dos melhores caminhos para investir na verdadeira inclusão em sala de aula é no oferecimento de preparação e formação de qualidade para uma atuação adequada do professor na prática.

Infelizmente, a preparação adequada deveria acontecer nos cursos de Pedagogia e outras licenciaturas, mas isso ainda não é uma realidade, dessa forma, os profissionais já formados acabam tendo que buscar formação complementar em cursos específicos, principalmente quando se depara com uma inclusão na sala de aula e se vê obrigado a buscar informações.

Uma boa alternativa para a implementação de espaços de discussão é a participação de toda a equipe na própria unidade escolar, podendo oportunizar momentos de observação, análise e reflexão crítica sobre a própria prática.

Os gestores poderão exercer o papel de mediadores, ao articular o conhecimento dos profissionais da educação especial com as necessidades e experiências dos professores da sala regular.

Outra forma são os professores que participam de cursos, também podem atuar como multiplicadores de conhecimento para a equipe, socializando e compartilhando conhecimentos.

Na medida em que o professor se aprofunda no conhecimento específico sobre educação inclusiva e tem momentos de discussões com os pares e especialistas da área, ele começa a colocar a atenção nas capacidades dos alunos e não nas suas limitações.

2. Criar uma Rede de apoio ao professor: O professor não pode se sentir sozinho e formar uma rede de apoio na unidade escolar é imprescindível para o sucesso da inclusão. A rede de apoio seria formada entre alunos, docentes, gestores escolares, famílias e profissionais específicos de saúde. Essa rede seria o suporte ao professor e ao aluno, discutindo e compartilhando os melhores caminhos para uma verdadeira inclusão dos alunos

Quando o conceito de inclusão é efetivamente compreendido, dificuldades vivenciadas na prática são solucionadas por todos os envolvidos, não ficando a única responsabilidade ao professor.

E se você se interessar por esse assunto, aproveite para aprofundar seus conhecimentos e baixe o ebook:

Como fazer uma Educação Inclusiva

Como fazer uma Educação Inclusiva-capa

Nele você vai encontrar respostas às suas dúvidas e ainda se você estiver trabalhando em uma sala de aula inclusiva ou sabe que enfrentará este desafio em breve, listamos 5 tópicos que podem nortear o seu trabalho e fazer sua sala de aula mais inclusiva: O trabalho em equipe na sala de aula; Tecnologia voltada para inclusão; Material concreto para inclusão; Materiais para estímulo visual; Jogos Educativos para inclusão. [link para receber]

4 Comentários

  1. Fábio

    Excelente artigo. Gostei muito da questão da inserção de jogos na Educação Inclusiva. Parabéns.

    • Deborah multiaprendizagem@gmail.com

      Obrigada, Fábio!
      Estamos construindo um espaço de discussão e sua participação é muito importante.
      Compartilhe com seus colegas e vamos formar uma rede.

      Grande abraço

  2. Rosangela Beneton

    Excelente artigo,gostei muito e concordo com você deveríamos ser melhores preparados para atuar com esses alunos durante nossa formação acadêmica,mas infelizmente a realidade é outra,quiçá em futuro vindouro isso possa de fato se tornar realidade.Obrigada por compartilhar seus conhecimentos.Parabéns!

    • Deborah multiaprendizagem@gmail.com

      Obrigada Rosangela, não podemos perder as esperanças de mudanças!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *